de joia*, de joio: somos (ou estamos?)

suspeita-se que seremos, pois fomos.

o ofício do ourives: partilhar, excluir excessos, engastar, fundir, lapidar, reordenar.

(se ouvires a onda na areia, por dias bailando, traduza-me o que ela canta)

conto, ponto, junta e nó. pedra, pedro, galho, vidro e corda e arame e seixo e sorte.

 

 

objetivo:  objetivar₁ , em joia*, o espaço contido entre o vestígio ₂₊₃ e o indício ₄₊₅

 

 

sendo:

₁ dar existência material a.

₂ qualquer marca, sinal de alguém que passou ou de algo que sucedeu.

₃ aquilo que restou; resto, sinal.

₄ o que indica, com probabilidade, a existência de (algo); indicação, sinal, traço.

₅ signo não convencional que está fundado na relação de contiguidade com a realidade significada, como a fumaça e o fogo, a nuvem escura e a chuva.

 

 

Dessa forma deve-se tratar o vestígio como termo obrigatoriamente relacionado ao passado e o indício como termo mais carnalmente ligado ao futuro, ou, no máximo, a um presente paralelo (como a fumaça esta em um presente paralelo ao fogo).  Assim, o presente real fica em estado de abandono, ausente ao toque, suspenso, excluindo-se, portanto, qualquer possibilidade de materialidade acabada.

Tendo por objetivo “dar existência material” ao espaço contido entre “aquilo que restou” e “o que indica” e, por consequência, como posto no paragrafo acima, tendo o “presente real em suspenso”, resta-nos estar à espreita e versar sussurros apenas quando o silêncio não bastar.

 

                                         .:. Com isso, sobre a mesa repousam prováveis suspeitas,                                                       suposições, indicações, pegadas, pistas, rastros, traços,                                                       restos, sinais, premonições, signos, sintomas, índices,                                                           evidências, testemunhos, mostras, prenúncios, marcas,                                                         resquícios, laivos, palpites, receios, hipóteses, deduções,                                                     teorias, cismas, presságios, manchas, pontas e provas.

 

 

*Como esses primitivos que carregam por toda parte o maxilar inferior de seus mortos,

Assim te levo comigo, tarde de maio, (...) c.d.a.

Copyright © deco adjiman