6h12'

Instalação realizada na beira do canal da viúva na praia do Patacho em Alagoas, com pedaços de madeira de uma antiga armadilha para peixes. O canal da viúva é uma conexão entre as piscinas naturais na beira da praia e o alto mar e é utilizado pelos pescadores da região como trajeto de saída e retorno da pesca. O canal é temido por muitos locais pela profundidade e força das águas e já deixou algumas viúvas. A instalação foi feita em cerca de uma hora no auge da maré seca e permaneceu de pé por no máximo 6 horas e 12 minutos que é o tempo da troca da maré. 

Fotos Isabel Pimenta

canto

em que ar é vento e não cansa

            e sopra

            e canta

            e nos põe a estar

 

canto

em que tempo é mar: por maré

            nesse vem e vaza de cada quarto de dia

 

tal fêmea que é, o mar, por lua, pulsa e dança:

haja água no  preamar inundando de sal esse lado de cá

e quando baixa, no baixa-mar, pra onde vai?

                                                       áfrica?

quem sabe, não conta

                               mas canta a lenda que é pelo canal que ela vai e volta:

                               a maré e as gentes (pescadores ou não)

                               os daqui gritam quando um de nós rema por lá:

                               “a menina não voltou” chorou maria

                               “chama canal da viúva, por motivo” sorriu-se (pois fala sorrindo) pedro

sarava iemanjá,

minha mãe, velho moreira,

a menina de maria, a viúva da lenda de pedro: licença, vou ao mar brincar com pau

por de jeito tal só pro mar vir derrubar

se firme, segura por um tanto de seis horas e doze minutos, nunca mais

                                                                                mas não por isso

se em balanço, o próprio vento faz a vez

                                                           mas não por isso:

                                                           assim também dança todo o resto

 

 

obs que não coube no poema: vez por outra penso em filipinho e tenho infância

Copyright © deco adjiman