trague poesia

Fume Ari, cheire Vinicius, beba Nelson Cavaquinho.

Deve ter vindo dai, confesso, obrigado Chico.

Mas não só.

Uma vez ouvi de meu pai que minha mãe também tinha a mania de enrolar um qualquer papelzinho que sobra na mão antes de jogar fora.

Eu faço isso e vou além:finjo fumar como a um baseado bem feito.

Certa feita resolvi fumar Rimbaud e então percebi o prazer de tragar poesia.

 

Minha maior série, mas nunca igual: cigarro, charuto, baseados, e também cachaça, rum, whisky, afinal o trago também é na beira do bar e como cantou Baudelaire: embriague-se! De vinho, virtude ou poesia. 

série fume

série beba

Copyright © deco adjiman